Retrospectiva Helena Ignez e Mostra Foco têm início hoje na Mostra Tiradentes | SP

Começa nesta sexta-feira, 24 de março, a Retrospectiva Helena Ignez, que integra a Mostra Tiradentes | SP. O filme escolhido para a abertura foi “Copacabana Mon Amour” (1970), clássico de Rogério Sganzerla. Ao longo da programação, que se estende até a próxima quarta, 29 de março, no CineSesc, serão exibidos ainda “Ralé” (27/03),Canção de Baal” e “Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha” (28/03) e A Mulher de Todos” (29/03).

 O dia de hoje reserva para o público, ainda, a primeira sessão da Mostra Foco, que, a cada ano busca dar destaque a filmes que tenham uma perspectiva particular sobre seus materiais e se lancem a experimentos poéticos. Assim serão exibidos, a partir das 18h, os curtas A Canção do Asfalto”, de Pedro Giongo; “Restos”, de Renato Gaiarsa; Autópsia”, de Mariana Barreiros; e Estado Itinerante”, de Ana Carolina.

 Na Mostra Cinema em Reação, a atração será a pré-estreia nacional de “Precisamos falar do assédio”, às 19h30. A produção, dirigida por Paula Sacchetta, vem chamando a atenção por onde passa pela força e pungência dos relatos relacionados à violência sexual perpetrada contra as mulheres.

 Às 21h30, acontece a exibição de “Eu não sou daqui”, de Luiz Felipe Fernandes e Alexandre Baxter. O filme integra a Mostra Aurora, que chega a sua 10ª edição em 2017. Firmou-se no período como a principal programação de “primeiros filmes” no Brasil, restrita a obras de diretores de no máximo dois longas anteriores, em geral realizações de poucos recursos financeiros, constantemente viabilizadas pelas necessidades expressivas de seus proponentes, às margens ou na periferia do capitalismo cinematográfico ao modo brasileiro.

 JEAN WYLLYS E FILME INÉDITO SÃO DESTAQUES DO FIM DE SEMANA

A primeira sessão do sábado (25) está marcada para as 15h, com a Mostra Foco | Sessão de Curtas. Integram a programação “Nunca é noite no mapa” (Ernesto de Carvalho), “A maldição tropical” (Luísa Marques e Darks Miranda), “Ferroada” (Adriana Barbosa e Bruno Mello Castanho) e “Cinemão” (Mozart Freire).

 Na Mostra Aurora, às 16h30, a atração será “Sem Raiz”, de Renan Rovida. “Entre os homens de bem”, de Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros”, abre a Mostra Cinema em Reação neste dia e terá a presença do Jean Wyllys. Durante três anos, a produção acompanhou os passos do deputado como porta-voz da causa LGBT, antenado a discussões políticas que transbordam de Brasília para as ruas e para as redes sociais. Além de traçar o perfil de um personagem, o filme é o prólogo do atual cenário de crise de representatividade e polarização da política brasileira. Após a sessão, marcada para as 19h, haverá um debate entre o protagonista, os diretores, Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros, e o público.

 O encerramento do dia fica por conta de “Guerra do Paraguay”, de Luiz Rosemberg Filho, às 22h, também seguido de debate.

 Três curtas marcam a Mostra Foco neste domingo (26), a partir das 15h: “Minha única terra é na lua” (Sérgio Silva), “Vando Vulgo Vedita”, produção do Ceará, com direção de Andréia Pires e Leonardo Mouramateus que, além de ter sido eleito o melhor curta da Mostra Foco pelo Júri da Crítica, ganhou o Prêmio Aquisição do Canal Brasil; e “Tempos de cão” (Ronaldo Dimer e Victor Amaro).

 A Mostra Aurora contará com duas sessões: às 16h30, com “Um filme de cinema”, de Thiago B. Mendonça; e às 21h, com Subybaya, de Leo Pyrata.

 Já a Mostra Cinema em Reação traz o inédito “Intimidade Pública”, de Luciana Canton, às 19h30. Filmado sem recursos e sem roteiro, o filme já coleciona reconhecimento internacional. Exemplo disso são os prêmios Mérito no Lucerne International Film Festival 2016, em Lucerne, na Suíça; Melhor longa de ficção no Women Media Arts and Film Festival 2016, em Sidney, na Austrália; Menção especial no I Filmmaker Internationa Film Festival, em Marbella, na Espanha; Melhor Filme no IV Festival Internacional Dona i Cinema, em Valencia, na Espanha; e Menção especial do Júri no Manchester Film Festival, no Reino Unido.

 As sessões terão ingressos a preços populares: R$ 3,50 para associados Sesc (portadores da credencial plena), R$ 6 (meia-entrada) e R$ 12 (inteira).

 ABERTURA

Aclamado pela crítica na edição mineira, “Baronesa”, de Juliana Antunes (MG), abriu a primeira sessão da edição paulista da Mostra Tiradentes. O evento oferece ao público um recorte da nova safra cinema e antecipa o que será apresentado na cinematografia nacional em 2017. A abertura aconteceu nesta quinta-feira, 23 de março, no CineSesc, com lotação máxima. “Esse filme fez parte a minha vida nos últimos anos. Foram seis anos para finalizar. É um processo de muita entrega”, disse Juliana Antunes em seu discurso, ao lado da diretora de som Marcela Santos.

 Baronesa permitiu ao público um mergulho profundo em questões como o prazer, a sexualidade feminina, a complexidade da maternidade, a solidariedade e, ainda, a realidade do tráfico, tão presente nas periferias do país. Juliana contou, durante o bate-papo com o público após a sessão, sobre a dificuldade que encontrou ao fazer o filme. “Entrei numa outra realidade. Para conseguir fazer esse filme, tive que me comprometer que Baronesa nunca será exibido no bairro para os moradores. Foram anos de muita entrega, com uma equipe que também se envolveu muito no processo e com recurso para um curta-metragem”, disse durante a conversa com o curador Cleber Eduardo.

 Para Raquel Hallak, diretora da Universo Produção, “a versão paulista da Mostra Tiradentes tornou-se um espaço privilegiado para a renovação, a inovação, uma possibilidade de reunir os diferentes modos de fazer e pensar o cinema representativo do Brasil, visando contribuir positivamente para o encontro democrático, a aceleração do diálogo, a troca de conhecimento e experiências, que acreditamos ser fundamental e inadiável para o amadurecimento e a profissionalização da nossa cinematografia”.

 SOBRE A MOSTRA TIRADENTES | SP

Esta é a quinta edição da Mostra Tiradentes | SP, uma oportunidade única para conferir o trabalho dos principais expoentes do cinema autoral no Brasil. Ao longo de sete dias – 23 a 29 de março – serão exibidos 36 filmes - 21 longas e 15 curtas, grande parte deles em suas primeiras exibições na cidade. O evento é uma parceria entre a Universo Produção e o Sesc SP a fim de contribuir com a difusão do cinema autoral. A Mostra Tiradentes terá 25 sessões de cinema no CineSesc (Rua Augusta, 2075 - Cerqueira César), além de oficina e um debate conceitual. A edição paulista retoma o tema eleito para a 20ª edição em Minas, “Cinema em Reação, Cinema em Reinvenção”, e amplia o debate com novas vozes. 

 Além da Mostra de Tiradentes, a Universo Produção é responsável pela CineOP, em Ouro Preto, e CineBH, em Belo Horizonte. Juntas, as mostras formam o programa Cinema sem Fronteiras, que busca fomentar e discutir a produção artística, o mercado cinematográfico e o resgate do cinema como documento histórico.