Depoimentos

Depoimentos Mostra Tiradentes | SP 2016

"Nunca tive a oportunidade de ir para Tiradentes, mas poder conhecer um pouquinho aqui em São Paulo, do que se passa por lá, é bem interessante.  Os filmes deste ano, estão muito interessantes. Tenho a impressão que a Mostra de Cinema de Tiradentes acertou no tema. Os filmes estão bem políticos e trazem uma reflexão interessante." 
Ana Clara Magalhães - estudante (público) - SP

"A curadoria da Mostra Tiradentes, tanto lá quanto aqui em SP é sempre primorosa. Dá possibilidade de encontrar novos olhares e potencializa essa diversidade do olhar no cinema e é sempre muito prazeroso encontrar novos realizadores. Participar da Mostra Tiradentes aqui em São Paulo, que é a minha cidade, e ainda poder dar uma oficina, é extremamente estimulante. Quando você se coloca na posição de ensinar, você não está ensinando. O processo de ensino pressupõe uma troca importante, então saio desta oficina com a sensação de ter aprendido muito mais que ensinei. Este é um aspecto fundamental da Mostra Tiradentes: aqui, vamos muito além da projeção de filmes – toda a programação é complementada por uma profunda reflexão pelo que é exibido e este debate é fundamental."
Cristiano Burlan - diretor do filme "Fome" e instrutor da oficina “Da ideia à distribuição: sob a perspectiva de um realizador independente” - SP

"Participar de um festival tão grande e importante como é Tiradentes para o cinema independente e autoral é muito gratificante. É uma honra grande e estamos muito felizes de estar aqui. Urutau conta a história de um homem mais velho e um adolescente jovem, onde eu procuro relatar um pouco dessa relação dos dois expondo a questão da pedofilia, que é um tempo ainda pouco discutido aqui no país. As pessoas preferem fingir que não acontece e é um problema muito recorrente quando você começa a pesquisar e ler sobre o assunto. O filme tem como primeira missão trazer esse debate, além da questão do medo e da liberdade. Urutau foi produzido sem nenhum recurso público ou privado. Peguei o dinheiro que eu tinha na poupança e investi porque eu queria contar essa história e com um orçamento baixíssimo, comparável ao curta-metragem. E estou feliz com a proporção que o filme vem ganhando, participar de Tiradentes e agora ter a oportunidade de exibir em São Paulo é muito gratificante."
Bernardo Cancella Nabuco - diretor do filme "Urutau" - RJ

"O Banco Imobilário apresenta o funcionamento do mercado imobiliário de São Paulo. A nossa estreia foi em Tiradentes e lá tivemos uma receptividade muito boa. Por eu ser de São Paulo, é sempre um prazer exibir filmes aqui. E por ter a sessão acompanhada de debate é de grande importância, é bom ter esse contato com o público para discutir o filme e até saber o que eles acharam."
Miguel Antunes Ramos - diretor do filme "Banco Imobiliário" - SP

"Eu nunca tinha participado de Tiradentes, então já foi uma experiência muito diferente. Sempre tive aquela ansiedade para ir. Quando soube que fui selecionada foi uma alegria e cheguei e superou as expectativas. É um festival  muito diferente. Todo mundo muito reunido naquela cidade tão pequena e todo mundo se encontra e fala sobre cinema. Nunca tive uma experiência de ver um festival com tantos filmes bons e de todo o Brasil. É muito brasileiro. Fazer a itinerância já é uma coisa super a ver com o festival, por ele ser tão brasileiro. Vir para SP é  um outro tipo de experiência, apesar de me encher de nostalgia. Para mim, as duas experiências foram muito diferentes e todas elas muito boas. Acho que fazendo essa itinerância, eu pude conhecer mais o tipo de cinema que eu estou fazendo. Foi muito especial essa participação."
Deise Hauenstein - diretora do curta "Madrepérola" - RS

"Acredito que as oficinas são mais positivas do que muitos cursos, onde as discussões acabam sendo limitadas. Aqui tivemos a oportunidade de pensar sobre cineastas, sobre o cinema independente e questões pouco debatidas, como a distribuição. Foi algo prazeroso e com gostinho de quero mais. Poderia ter mais oficinas ou durar mais dias."
Glayson Mota - aluno da oficina “Da ideia à distribuição: sob a perspectiva de um realizador independente” - SP

"Gosto muito de frequentar oficinas relativo ao audiovisual. Acho que acaba sendo melhor do que a maior parte dos cursos de cinema. Você acaba tendo um tempo maior para pensar sobre cinema e sobre alguns cineastas e filmes. Deu para pensar e discutir muito sobre cinema, distribuição. De certa forma encorajar ou desencorajar a gente de continuar fazendo cinema ."
Ruth Carvalho - aluna da oficina “Da ideia à distribuição: sob a perspectiva de um realizador independente” - SP

"Tem vários anos que acompanho a Mostra de Tiradentes. É sempre um prazer porque eu fico sabendo do que está rolando de novo no cinema. A abertura para filmes mais experimentais, para gente que está começando, então é sempre bom acompanhar esse festival. Em SP é a primeira vez, e curti muito."
André Sampaio - diretor de “Santo Daime - Império da Floresta” - PE

 "Me dá um prazer poder acompanhar a Mostra Tiradentes desde o ínicio. Fui vendo vários caminhos que ela foi seguindo, um deles é esse recorte em São Paulo. De uns 6 anos para cá, esse festival encontrou uma identidade muito grande e muito forte. Temos no Brasil muitos festivais e alguns mais antigos, como Gramado e Brasília, e outras diversas cidades, mas nenhum se configura com uma orientação tão específica. O festival de Tiradentes tem um perfil próprio e consegue trazer isso para São Paulo. Mostra Tiradentes, está num caminho muito produtivo e interessante."
Ismail Xavier - crítico de cinema e professor - SP

"A Mostra Tiradentes sempre traz esse ar novo para São Paulo, como se fosse um novo frescor nas telas da cidade. Esse ano não estivemos no CineSesc, mas no SESC Consolação, que na verdade foi o princípio do CineSesc, daqui migramos para a rua Augusta. Então estamos bem felizes com esta terceira edição que trouxe tantas jóias para São Paulo."
Gilson Packer - Gerente do CineSesc  - SP

"A Mostra de Cinema de Tiradentes conta com uma curadoria muito interessante e atenta para o que tem de novo no cinema autoral. Exibir o filme em Tiradentes com aquela sala lotada e receber os aplausos foi muito bom. Agora poder exibir o Animal Político aqui em São Paulo, também com a sala cheia novamente, e com o debate logo após o filme é muito legal. A produção desse festival está de parabéns."
Tião - diretor do filme “Animal Político” - PE

"Mais que receber o prêmio em Tiradentes, foi poder estar junto com toda uma geração que está fazendo filmes importantes. Aqui em São Paulo não é diferente. Você poder ter um momento de troca como aqui, de pensar coisas, de construir projetos é sempre muito bom. E ter o filme passando em São Paulo, um filme político, de uma estética de risco ser aceito e até por gerações diferentes, foi algo que preencheu toda a equipe do filme. E nesse atual momento que o país vive, faz todo o sentido de passar esse filme de luta em São Paulo, um cinema que vai na contramão. Os filmes da Mostra Aurora apresentam temáticas bem críticas e na contramão do que está estabelecido. A curadoria foi bem feliz e eu me sinto privilegiado de estar cercado dessas pessoas que estão fazendo esse tipo de filme."
Thiago B. Mendonça - diretor de “Jovens Infelizes ou um homem que dança não é um urso que grita”, vencedor da Mostra Aurora 2016 - SP

"É um trabalho compartilhado dentro de contexto que venho trabalhando há algum tempo, que é o filme-ensaio. Desenvolvo elementos que dialogam com o mundo externo e com todos nós, fazendo com que nós, como espectadores, tenhamos leituras diversas e somos provocados. Já estive em algumas edições na cidade de Tiradentes e é sempre um prazer poder exibir o filme e numa edição da Mostra Tiradentes em São Paulo é ainda mais prazeroso."
Taciano Valério - diretor do filme "Ainda me sobra eu" - PE

"A Mostra Tiradentes SP é um espaço que possibilita ao público um contato com filmes independentes, além de valorizar e enfatizar o cinema brasileiro. Costumo vir ao CineSesc e depois da reforma, a sala de exibição ficou muito boa, o que faz ter mais vontade de vir assistir aos filmes e acompanhar a mostra."
Alexandre de Oliveira - estudante (público) - SP